Navegue Por Aqui

Marco da geração distribuída entra na pauta com novas propostas

Data: 22/4/2021

Por Larissa Fafá

BRASÍLIA – Diante das críticas quanto ao rateio dos descontos dados à geração distribuída (GD) que ganharam força recentemente, o relator Lafayette de Andrada (Republicanos/MG) decidiu incluir novas medidas no PL 5.829/2019. O projeto entrou na pauta da Câmara dos Deputados desta terça (20).

A ideia do relator é atribuir à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a criação de uma metodologia para considerar atributos técnicos, ambientais e sociais da mini e microgeração distribuída no cálculo da compensação da energia, dando aos consumidores com sistemas de geração distribuída o direito da dedução de benefícios ao sistema elétrico que levem à redução do custo da energia para todos os consumidores.

‘Algumas críticas apontam que quem tem GD não paga encargos e isso encarece a conta de quem não tem. Pois bem, para garantir que não haja aumento de conta de outros consumidores, a Aneel tem que valorar e depois abater os benefícios técnicos e ambientais que a própria agência fala que a GD tem’, diz Lafayette de Andrada.

O relator do PL 5.829/2019 conversou nesta segunda (19) com o político epbr, serviços exclusivo da agência epbr para empresas.

A versão anterior do PL já previa a necessidade de desenvolvimento por parte da Aneel de um modelo de valoração econômica dos benefícios da GD, mas focado na divulgação dos números. A nova versão do projeto prevê que esse mecanismo seja criado em até 18 meses e sirva para que os benefícios sejam considerados no cálculo dos da geração distribuída na rede.

Outras alterações também foram feitas por Lafayette de Andrada no parecer que será apresentado ao plenário da Câmara. Veja na íntegra (.pdf)

Lafayette propõe limitações na cobrança de depósitos antecipados para as distribuidoras realizarem estudos e de viabilidade da conexão de novos sistemas de GD e autorização para destinar excedentes de energia da geração distribuída para entidades filantrópicas, como hospitais e outras instituições sem fins lucrativos. Proposta semelhante já foi aprovada pela Câmara e aguarda apreciação no Senado Federal.

PUBLICIDADE

O novo artigo para cálculo de benefícios da GD

Art. 31. A ANEEL deverá emitir regulamento com vistas a quantificar economicamente os benefícios sistêmicos, sociais e ambientais das centrais de microgeração e minigeração distribuída, em até 18 (dezoito) meses após a publicação desta lei. §1º. Concluído o regulamento previsto no caput deste artigo, a ANEEL promoverá, em regulamento específico, a utilização dos benefícios apurados para abater eventuais custos verificados originados pela microgeração e minigeração distribuída nos sistemas de distribuição e transmissão do Sistema Elétrico Brasileiro. §2º. A ANEEL Promoverá a divulgação dos custos e benefícios sistêmicos das centrais de microgeração e minigeração distribuída de forma a manter a transparência das informações à sociedade.

O PL prevê a inclusão dos custos de distribuição (Fio B) e de transmissão (Fio A) na compensação a depender da capacidade dos sistemas. Pela proposta, consumidores com sistemas superiores a 500 kW de potência pagarão as parcelas da energia referentes às redes de distribuição e 40% da transmissão.

Novos sistemas menores pagam apenas o Fio B de forma gradual, ao longo de dez anos, com participação da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

O texto também garante a preservação das regras atuais por 25 anos para consumidores que solicitarem a conexão à rede de distribuição em até 12 meses da entrada em vigor da nova lei. Esse período também é considerado demasiadamente longo por parlamentares críticos ao projeto.

Agronegócio apoia proposta do setor solar para marco legal da geração distribuída

Lafayette espera espera vencer a resistência dos parlamentares no Plenário da Câmara e se diz otimista com a aprovação do texto esta semana. Parlamentes ouvidos pelo político epbr, contudo, avaliam que o feriado nacional de quarta (20) e a concorrência com outras pautas – além da disputa em torno do texto – podem postergar a votação para a próxima semana.

O vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL/AM), é um dos principais parlamentares contrário ao texto atual.

‘O consumidor de GD é maioria de classe média ou alta, enquanto quem não é são pessoas mais pobres. Se quiserem pagar [subsídio] com orçamento do Tesouro, é problema deles com o governo. O que eu não aceito é que o consumidor fora da GD pague um centavo de subsídio’, disse Ramos à epbr no início de abril.

Congresso é fórum adequado para definir regras para geração distribuída, diz secretário do TCU

O deputado avalia que o cronograma de retirada do benefício na compensação de energia, proposto pelo relatório de Lafayette, é longo e ineficaz para desonerar o consumidor final, que não gera a própria energia.

O deputado é autor de um projeto (PL 616/20) que, além de criar um marco regulatório para geração distribuída que retira os atuais descontos tarifários, também cria o Programa Energia Renovável Social, que daria subsídio para instalação de placas solares a famílias de baixa renda, inspirado na experiência do Procel.

Governo se afasta do debate

A discussão sobre a geração distribuída opõem Aneel e os ministérios de Minas e Energia e da Economia de um lado e Jair Bolsonaro de outro. O reflexo da divisão na Câmara é que lideranças do governo têm evitado tratar do tema abertamente, já que posição do presidente é favorável à manutenção das regras que beneficiam a expansão da geração distribuída.

Bolsonaro é um entusiasta da campanha contra a ‘taxação do Sol’, mote que colocou o assunto na pauta política no início de 2020, quando a Aneel apresentou a proposta de revisão das regras da GD na REN 482, indicando a necessidade de retirada dos descontos na compensação da energia.

Partiu de Bolsonaro a decisão de alterar o posicionamento das áreas técnicas de que a regulamentação atual representa um subsídio-cruzado para o setor. O movimento escanteou a Aneel do debate ainda no ano passado e transferiu para o Congresso Nacional.

Relembre: Bolsonaro chama resolução da Aneel de ‘fantasma’ e volta a dizer que não haverá ‘taxação do Sol’

Em entrevista ao vivo à epbr, o relator Lafayette de Andrada chegou a afirmar que o governo está à margem desse debate.

O movimento Energia só é limpa se for justa, que reúne associações de consumidores – Idec, Conacen, Abrace e Anace – e distribuidoras de energia elétrica – Abradee e Abrademp, também defende uma revisão das regras da GD que acabe com o rateio de custos da geração descentralizada.

De segunda a sexta, pela manhã, assinantes da newsletter Comece seu dia recebem por e-mail um briefing produzido pela agência epbr com os principais fatos políticos, notícias e análises sobre o setores de petróleo e energia.

Confira a notícia completa em: Congresso | Marco da geração distribuída deve ficar para próxima semana (epbr.com.br)

Fonte: EPBR